Carro personalizado: qual o limite entre o brega e o chique?
publicado em 05/11/2007

  • 1/34
  • 2/34
  • 3/34
  • 4/34
  • 5/34
  • 6/34
  • 7/34
  • 8/34
  • 9/34
  • 10/34
  • 11/34
  • 12/34
  • 13/34
  • 14/34
  • 15/34
  • 16/34
  • 17/34
  • 18/34
  • 19/34
  • 20/34
  • 21/34
  • 22/34
  • 23/34
  • 24/34
  • 25/34
  • 26/34
  • 27/34
  • 28/34
  • 29/34
  • 30/34
  • 31/34
  • 32/34
  • 33/34
  • 34/34




Você é da opinião que o carro é o reflexo do dono? Gosto se discute ou não? Ao ver algum carro por aí, perguntou a si mesmo: o que esse cara pensou quando fez isso no carro? Qual o limite entre o brega e o chique?

Qual a combinação que resulta em um carro bonito?
Por menor que seja uma personalização, esta envolve um gosto pessoal, um serviço a ser executado e a escolha dos acessórios corretos. Quem quer modificar o carro deve levar a sua idéia exclusiva para um bom profissional que realize o serviço com materiais de qualidade. O problema acontece quando estes três ingredientes (ou mesmo um), idéia – profissional - materiais, são ruins e não se harmonizam.

Carro ou "árvore de Natal"?
Por isso é comum encontramos carros com “badulaques” e enfeites que os deixam parecidos com uma verdadeira árvore de Natal. E o pior de tudo: seus donos acham que estão causando a maior sensação, atraindo olhares admirados por seu carro exclusivo. No entanto, o carro beira à breguice, ao exagero e mau gosto.

Não há dúvidas que mudanças podem deixar seu carro mais bonito. Porém, deve-se ter o cuidado de fazer um bom planejamento e não perdê-lo de vista, antes que você se arrependa e seja chamado de brega sem a intenção de ser.

Veja agora a nossa galeria de fotos, e dê sua opinião sobre o assunto na área de comentários abaixo.

Texto: Equipe MotorClube

Compartilhe esta notícia: